Será o fim da greve? Governo cede aos pedidos dos caminhoneiros

Após um dia inteiro de negociações, o presidente Michel Temer anunciou a proposta feita pelo governo federal. Após a proposta inicial de manter 30 dias os preços congelados ser negada por parcela dos caminhoneiros, foi decidido congelar por mais 30 dias a redução do preço do óleo diesel em R$0,46 por litro, sendo assim 60 dias permanecendo o mesmo preço. De acordo com o presidente, isso significa zerar os subsídios da Cide e do PIS/Confins sobre o óleo diesel.

O governo federal concordou também em eliminar a cobrança do pedágio das linhas suspensas dos caminhões em todo o país e estabeleceu um valor mínimo para o frete rodoviário.

Essas mudanças deveram constar nas medidas provisórias, que serão publicadas na edição extra no Diário Oficial da União. A expectativa do governo é que a paralisação que já dura cerca de 8 dias, seja finalmente finalizada. Pelos transtornos e prejuízos que foi causado ao país.

“Os efeitos dessa paralisação na vida de cada cidadão me dispensam de citar a importância da missão nobre de cada trabalhador no setor de cargas. Durante toda esta semana, o governo sempre esteve aberto ao diálogo e assinamos acordo logo no início. Confirmo a validade de tudo que foi acertado”, foi dito pelo presidente Temer.

Temer também diz que nas últimas 48 horas, o governo avançou assumindo os sacrifícios e sem causar prejuízos a Petrobras, nas novas medidas. Foi declarado que a partir dos 60 dias, haverá reajustes mensais.

“Cada caminhoneiro poderá planejar seus custos. Atendemos todas as reivindicações”, afirmou Temer.

Durante o dia todo foi avaliado o custo, cortes e compensações. Além de restrições orçamentárias, empecilhos legais. A equipe econômica foi convocada para ajudar a avaliar as medidas que seriam tomadas.

Inicialmente a proposta foi feita para que a paralisação parasse por pelo menos 15 dias. Tendo como medidas o congelamento por 30 dias e 10% dos preços diminuídos nas refinarias. Porém, nesta nova proposta os preços serão abaixados nos postos e a validade do congelamento dobrada. As despesas serão consequentemente elevadas também. Mas o governo assume os riscos.

Confira seis medidas tomada pelo governo e anunciadas por Michel Temer:

1) O preço do diesel, redução de R$ 0,46 por litro. Corresponde aos valores do PIS/Cofins e da Cide, somados. Segundo Temer, o governo irá cortar do orçamento, sem prejuízo para a Petrobrás;
2) O governo recua e vai garantir o congelamento por 60 dias. Depois disso, o reajuste será mensal, de 30 em 30 dias;
3) Será editada uma Medida Provisória para a isenção de eixo suspenso em praças de pedágios, tanto em rodovias federais, como nacionais;
4) Medida estabelecendo a tabela mínima de frete, conforme prevista no PL 121, em análise no Congresso;
5) Não haverá reoneração de folha de pagamento no setor de transporte de carga;
6) Governo também vai reservar 30% do transporte da carga da Conab para motoristas autônomos.

– via Agência Brasil e Estadão Conteúdo.